Quantidade de Páginas visitadas

HERMÍNIA ROLIM LUPION PATRONA DO COLÉGIO ESTADUAL HERMÍNIA LUPION – EFMN o destino prepara cada um de nós para o papel que iremos desempenhar na vida. Foi por essa razão que nasceu um dia em Piraí a menina Hermínia, filha de dona Nhandy (Joana Borba Rolim), dama de memoráveis virtudes, toda devotada em servir ao próximo e do senhor Pedro Rolim de Moura, político hábil, inteligente, têmpera rija de lutador. Nasceu à entrada do mês de Maria, dia 8 de maio, e cresceu assim predestinada, trazendo em si a criação permanente, a herança materna da caridade, a aura de liderança de seu pai, aquela que pelo casamento passaria a chamar-se Dona Hermínia Lupion e que seria por dez anos a Primeira Dama do Paraná, na qualidade de esposa do Governador Moisés Lupion. Quem quer que a tenha conhecido, há de ter fixado na memória as suas mãos transportadoras de esperança distribuindo bens, ou num gesto de afago ou ainda na atitude energética de quem está lutando para atenuar o sofrimento alheio. Queremos nestas linhas homenagear dona Hermínia, pela sua vida de devotamento aos sofredores, mas que palavras não há, que reproduzam a grandeza sublime daquela constante doação de si própria, da capacidade de trabalho em prol dos humildes? Que frase se não apagará ante essa esteira luminosa deixada pelos gestos de suas mãos espirituais, semeadoras de consolação? Nove anos depois de deixar o Governo do Estado, desaparece dona Hermínia Lupion e todo o Paraná estremece ante a surpresa desoladora e chora a grande perda, como se ela ainda estivesse atuante, forte, corajosa, à frente de sua cruzada de amor. E que o coração humilde não esquece quem o ergueu do pó; o estudante é para sempre grato a quem ouviu-lhe os reclamos e o ajudou com carinho a construir a sua casa, resolvendo assim o grande problema do moço pobre que vem estudar na Capital; a velhinha abandonada aconchega-se ao conforto do cobertor e bendiz dona Hermínia Lupion; a criança recorda um sorriso que não conhecia e entrega-se ao maravilhoso mundo que o brinquedo sonhado lhe dá. Ela sabe que eram de Dona Hermínia as mãos que a fizeram feliz. Orfanatos, hospitais, escolas, lares humildes, asilos, centros de arte, por onde andou o coração de Dona Hermínia? O sorriso de Dona Hermínia, a palavra amiga, a presença inesquecível de Dona Hermínia? Dona Hermínia Rolim Lupion, nascida no mês de maio, das novenas de Maria. A voz do sino lhe imprimiu no coração a prece que os lábios repetiram todos os dias de sua vida; que foi o socorro, o esteio e o refúgio quando a morte veio arrebatar-lhe a filha querida – Leovegilda; evocação de Maria, Mãe de Deus, remédio único para as atribulações crescentes, incessantes, para os momentos em que o desespero se insinuava com força; prece repetida a cada nova angústia, com as mãos trêmulas e com lágrimas nos olhos, até o final, até o último instante, quando, todo minado o grande coração, os lábios apenas sorriram murmurando: “obrigada, Doutor, agora estou bem”.

Validador

CSS válido!

Secretaria de Estado da Educação do Paraná
Av. Água Verde, 2140 - Água Verde - CEP 80240-900 Curitiba-PR - Fone: (41) 3340-1500
Desenvolvido pela Celepar - Acesso Restrito